Artigos
O Senhor da vinha quer frutos PDF  | Imprimir |  E-mail


alt


O Senhor da vinha quer frutos


“Dizem-lhe eles: Dará afrontosa morte aos maus, e arrendará a vinha a outros lavradores, que a seu tempo lhe deem os frutos” (Mt 21.41).

Dentre as parábolas que Jesus contou, no final do Seu ministério, em Jerusalém, encontramos aquela que ficou conhecida como “A dos lavradores maus”. “Portanto, Eu vos digo que o Reino de Deus vos será tirado e será dado a uma nação que dê os seus frutos” (Mt 21.41). A Bíblia, em seu contexto, nos revela que o Reino de Deus nunca foi propriedade exclusiva da nação israelita. Ao vocacionar o povo judeu e lhe conceder impressionantes bênçãos, o objetivo do Senhor não foi preconceituoso.

A finalidade, desde Abraão, foi de estruturar um povo missionário, cujo testemunho de Deus abençoasse todas as famílias da Terra: A mensagem constante da literatura profética foi lamentar o constante desrespeito do contrato que Deus fez com o Seu povo. Em vez de compartilhar as Boas Novas de Deus ao mundo idólatra, os israelitas preferiram negligenciar a vida que o Senhor confere, adotando as práticas desumanas do mundo ao redor.

A parábola de Jesus, em Mateus 21, mostra a perigosa semelhança entre os israelitas e os cristãos, no que se refere à postura missionária. Ao nos comissionar com o “Ide por todo o mundo”, Jesus nos contratou para “dar fruto”. Frutos do amor de Cristo, para um mundo que ainda odeia o Senhor. A pergunta possível, diante de nossa negligência, bem poderá ser: se a cristandade continuar calada, quais serão as “pedras” que “clamarão”? Nossa oração é no sentido de que ainda haja tempo para darmos os frutos do Reino, para que preguemos enquanto é dia...


Olavo Feijó
Colunista de OJB

 
Viver em Paz com Todos PDF  | Imprimir |  E-mail

alt

Viver Em Paz Com Todos


“Se for possível, quanto estiver em vós, tende paz com todos os homens” (Rm 12.18)

A pergunta que os romanos faziam era a mesma que nós fazemos nos dias de hoje: como viver Jesus Cristo, no meio da maldade do mundo? A resposta do apóstolo Paulo é coerente com a pregação de Jesus: “No que depender de vocês, façam todo o possível para viver em paz com todas as pessoas” (Rm 12.18).

A paz de que falam os escritores no Novo Testamento não é aquela postura de mesmice, de insensibilidade diante das injustiças do mundo. É o espírito de paz, com que o Cristo nos reveste: “Deixo-lhes a paz. É a Minha paz que Eu lhes dou - não lhes dou a paz como o mundo a dá. Não fiquem aflitos, nem tenham medo” (Jo 14.27). A única força que vence a maldade do mundo é a paz dinâmica, fruto do amor de Deus em Cristo. Como testemunhas do Cristo, esta é a cosmovisão que nos cumpre viver, no meio do ódio que nos cerca.

Paulo é o primeiro a reconhecer a dificuldade que enfrentamos, quando nos decidimos a “Viver em paz com todas as pessoas”. A dificuldade, diga-se de passagem, é fruto da velha natureza em nós, que luta contra a nova natureza que Cristo nos dá. Quando deixamos o Espírito de Cristo nos dominar, até pelos inimigos nós oramos, como sugere Mateus 5.44, e criamos o ambiente para que vença a paz de Cristo.


Olavo Feijó
Colunista de OJB

 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo > Fim >>

Pagina 4 de 70
 
Copyright © 2019 Portal Batista. Todos os direitos reservados.
Rua José Higino 416, Predio 28 - Rio de Janeiro - RJ / CEP 20510-412 / (21) 2157-5557