Textos e Estudos Bíblicos
A FÉ QUE JESUS ADMIRA PDF  | Imprimir |  E-mail
Escrito por Redação CBB   
Ter, 07 de Julho de 2015 11:14

A FÉ QUE JESUS ADMIRA

Lucas 7: 1-10

O sermão da planície do capítulo 6 de Lucas é difícil de ser vivida até para os discípulos de Jesus. Suas exigências tais como: amar os inimigos, fazer o bem a quem deliberadamente nos faz o mal, dar a outra face, não julgar os outros, consertar seus pecados pessoais antes de falar do pecado dos outros, ser bom, chorar por si e pela maldade humana, investir no seu interior, entre outras, são de tal monta que se nos afigura impossível cumprir tudo isto. É bom lembrar que este foi o caráter e a ação de Jesus. Ele está tentando nos modelar à sua imagem e semelhança. Logo em seguida a este sermão, vem este episódio acerca de um centurião romano que se encontra em Lucas 7.1-10. O que Lucas nos quer ensinar? Após pregar sua mensagem na planície (Lucas 6.20-49), Jesus voltou para Cafarnaum (seu quartel-general) (v. 1). Na cidade, estava morando um centurião (v. 2). Um centurião era uma espécie de capitão ou tenente do exército romano que comandava mais ou menos 100 homens e que era o responsável por manter a ordem numa determinada região. Ele era romano e nada tinha a ver com a religião de Israel. Naquela época, Israel e os demais países eram dominados pelo exército de Roma. Este centurião tinha um escravo que estava doente, à beira da morte (v. 2). Ele estimava muito este escravo. Aqui começam algumas referências dissonantes do comum acerca deste homem. Naquela época, não havia respeito ou amor por escravos. Eles eram tratados como coisas. Este centurião preocupa-se com a saúde de seu escravo e o estima, honra. O centurião ouve falar que Jesus está na cidade e enviou um grupo de líderes judeus da cidade para interceder, perante Jesus, se ele poderia ir curar o seu escravo (v. 3). Estes líderes judeus dão três razões a Jesus para que ele vá curar:

1ª) ele é digno (v. 4);

2ª) ele ama o povo de Israel (que era seu inimigo) e é constante neste amor (v. 5);

3ª) ele chegou ao ponto de gastar de seu próprio dinheiro para construir uma sinagoga (templo/escola) para os judeus (v. 5).

Veja bem: judeus eram inimigos de romanos mas este centurião tem uma excelente reputação diante dos judeus, amou-os e fez o bem para eles, sem nenhuma obrigação de assim fazer. Este centurião estrangeiro é um excelente exemplo de tudo que Jesus ensinou no sermão da planície de Lucas 6! Jesus vai com este grupo de líderes mais uma multidão até a residência do homem (v. 6). Quando está próximo da casa, chega perto de Jesus um grupo de amigos do centurião com uma mensagem para ele: “Senhor, não te incomodes, pois não mereço receber-te debaixo do meu teto. Por isso, nem me considerei digno de ir ao teu encontro. Mas dize uma palavra e o meu servo será curado. Pois eu também sou homem sujeito a autoridade, e com soldados sob o meu comando. Digo a um: vá, e ele vai; e a outro: venha, e ele vem. Digo a meu servo: faça isto, e ele faz” (v. 6-8). Algumas observações na fala deste centurião são importantes para nós. A primeira observação é que ele não se acha digno de receber Jesus. Veja, no v. 4 os líderes judeus disseram que ele era digno. O homem é bom, cheio de boas obras, tem bom testemunho até de seus inimigos mas ele mesmo acha-se indigno de Jesus. Este é o tipo de pessoa que agrada a Deus: não confia nas suas obras mas quando olha para si, sabe que é indigno de receber qualquer coisa de Deus. É por isto que, humildemente, pede.

A segunda observação é que ele tem certeza que uma palavra de Jesus cura seu escravo. Isto é fé: sem conhecer, sem conversar e sem negociar com Jesus, ele crê. A fé dele em Jesus tem uma explicação baseada na sua vida pessoal. Como comandante de um grupo de soldados, ele sabe que está dentro de um sistema de hierarquia de poder. Obedece à palavra de seus superiores. Mas, seus subordinados, obedecem a uma simples palavra sua. Ele sabe que a obediência a uma palavra é por causa da autoridade que um superior tem sobre o subordinado. Aquele centurião reconhece em Jesus Cristo a autoridade para fazer o que ele quiser. Jesus ficou de boca aberta, maravilhado com a palavra daquele centurião (v. 9). Ele volta-se para a multidão dos judeus que o seguiam e diz que a fé de um estrangeiro centurião era maior do que dos próprios israelitas. Um estrangeiro, que não conhecia a revelação que Deus fizera de si mesmo para a nação de Israel (Antigo Testamento), compreendia e cria nele como a Autoridade sobre sua vida e vivia seus ensinamentos, sem tê-lo conhecido. Quando o grupo de amigos voltou para a casa do centurião, o seu escravo já estava trabalhando (v. 10). Nem uma palavra Jesus falou, apenas quis.

Sua vontade era suficiente para curar. Como você posiciona-se perante Jesus Cristo? Julga-se boa pessoa, tendo em vista um monte de coisas boas que você faz, e por isso acha que tem algo a reivindicar diante dele? Ou, mesmo fazendo o bem, você se considera indigno, tanto da presença quanto das bênçãos de Jesus sobre sua vida? De que tipo é sua fé? Você considera que ele é a única Autoridade sobre sua vida, seu Salvador e Senhor? Ou acha que outras boas pessoas ou seres podem lhe dar uma força? Você crê nele, mesmo sem vê-lo?

 
O DISCÍPULO INVESTE NO SEU INTERIOR PDF  | Imprimir |  E-mail
Escrito por Redação CBB   
Sex, 29 de Maio de 2015 09:34

O DISCÍPULO INVESTE NO SEU INTERIOR

Lucas 6.46-49

Hoje em dia, vivemos de aparência. Imagem é tudo. Conversava com um amigo que é advogado e ele me dizia que, para ele, ter um luxuoso escritório e um carro novo importado era importante para sua profissão, pois passava a imagem de um profissional competente e vitorioso e isto lhe garantia mais clientes e mais lucros. Palavras agradáveis e de autoajuda também estão em alta. Você deve conhecer pessoas que têm muita lábia, mas não cumprem nada do que falam. Aparência e palavras não valem nada se não forem acompanhadas de atitudes coerentes. O discípulo de Jesus não investe no exterior (aparência ou palavras), mas no seu interior, caracterizado pela obediência íntima a Jesus Cristo. É isto que ele nos ensina no final de seu sermão da planície em Lucas 6.46-49. Jesus começa fazendo uma pergunta: “por que vocês me chamam ‘Senhor, Senhor’ e não fazem o que eu mando?” (v. 46). A obediência é característica dos discípulos. As palavras não são substitutas da obediência! Andar com símbolos cristãos não diz nada acerca da relação da pessoa com Jesus. O que importa é a obediência aos mandamentos de Jesus. O próprio Senhor sabe disto e conhece suas ovelhas. Ele também sabe quem é a pessoa que usa seu nome, mas tem o coração bem longe dele. Ele não se deixa enganar com falsas palavras de amor ou atos que têm como objetivo produzir uma boa imagem da pessoa. O verdadeiro discípulo/servo produz três movimentos indispensáveis (v. 47). Em primeiro lugar, ele constantemente vem e se apresenta a Jesus. Isto significa a oração diária, a comunhão preciosa com Jesus. Em segundo lugar, ele ouve, o tempo todo, as palavras de Jesus que se encontram na Bíblia. Jesus comunicou-se conosco deixando escritos, que chamamos de Novo Testamento, para que o conhecêssemos e também sua vontade. O terceiro movimento é praticar o que se ouve. A minha pergunta é: você é uma pessoa de oração constante, que lê a Bíblia com o desejo de conhecer a vontade de Jesus e que pratica a palavra de Deus em sua vida? Ou, há muito tempo, você não faz nada disto? Com quem o discípulo/servo é parecido? Jesus responde: “é como um homem que, ao construir uma casa, cavou fundo e colocou os alicerces na rocha. Quando veio a inundação, a torrente deu contra aquela casa, mas não a conseguiu abalar, porque estava bem construída” (v. 48).

O discípulo/servo é aquele que trabalhou nas bases, no alicerce de sua vida. Não se preocupou com o exterior, com a aparência ou com o que os outros vão ver. Pelo contrário, construiu sua vida nas bases da fé, da ética, da responsabilidade, do amor. Constrói, o tempo todo, sobre a rocha que é Jesus. Ele preocupa-se com seu interior, sua personalidade, onde ninguém pode ver. É na intimidade solitária que ele tece as fibras do seu caráter e prepara-se para a vida. Aliás, foi dura a luta e a tempestade da vida.

O discípulo/servo não vai ter vida fácil. Segundo Jesus, a torrente deu fortemente contra aquela casa. Se você é de Jesus, saiba que vai passar por sofrimentos em sua vida. Alguns serão terríveis. Mas nada vai derrubar a vida do discípulo/servo! O crente que tem um bom alicerce interior fica firme na rocha. Aguenta os trancos da vida. Se hoje você está passando por duras provas, torrentes que vêm com muita força, fique firme em Jesus. Você vai superar estas provas. O alicerce da sua vida, que se manifesta em fé e obediência, manterá você de pé.

O que não é discípulo/servo só ouve a palavra de Jesus, mas não a pratica em sua vida (v. 49). Esta pessoa construiu a sua casa sem alicerce algum. Não teve uma vida de oração, não leu as Escrituras, não obedeceu aos mandamentos de Jesus. Investiu na aparência e em pensamentos tolos e mesquinhos. Fez da sua vida uma propaganda enganosa para mostrar aos outros e receber o aplauso deles. Mas quando chegou a hora da verdade, o tempo ruim que vem tanto para o crente quanto para o incrédulo, a linda casa de aparência caiu rapidamente. A personalidade não aguentou os embates da vida. A ruína desta pessoa foi grande: perdeu a vida, perdeu tudo que construiu. O povo de hoje é assim: não aguenta nada. Chamaram-no de feio na escola e agora sai matando as pessoas. Os pais não lhe dão a boa vida que ele quer, então mata os pais. A pessoa está frequentando a igreja e alguém lhe faz uma crítica, isto é motivo suficiente para nunca mais ir à igreja. No trabalho, alguém corrige algum comportamento errado que a pessoa fez, então aquele alguém passa a ser inimigo. Não passou no vestibular ou não ficou com alguém, a vida acabou e é só choradeira. Triste gente sem alicerce interior. Como você constrói sua vida? Está trabalhando sua interioridade para obedecer ao Mestre Jesus ou preocupa-se com o que os outros vão ver em você? Tome a decisão certa de ouvir e obedecer a Jesus Cristo.

Última atualização em Sex, 29 de Maio de 2015 09:42
 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo > Fim >>

Pagina 6 de 75
 
Copyright © 2019 Portal Batista. Todos os direitos reservados.
Rua José Higino 416, Predio 28 - Rio de Janeiro - RJ / CEP 20510-412 / (21) 2157-5557