Igreja Evangélica Batista de João Pessoa comemora 90 anos servindo ao Senhor PDF  | Imprimir |  E-mail
Escrito por Redação CBB   
Qui, 07 de Novembro de 2013 10:03



Igreja Evangélica Batista de João Pessoa  comemora 90 anos servindo ao Senhor

Ebenezer Tomaz Medrado Munguba, pastor (*)
Francisco Bonato Pereira, pastor (**)


A Igreja Evangélica Batista de João Pessoa (PB), dirigida pelo Pr. Tomaz José de Aguiar Munguba, celebrou o 90º aniversário de organização em cultos de adoração e louvor e pregação do Evangelho, nos dias 21 a 25 de setembro de 2013, tendo como orador o Pr. Wander Gomes (PIB Recreio dos Bandeirantes, RJ), no templo-sede, na Rua Osvaldo Pessoa, nº 416, Jaguaribe, João Pessoa (PB). Agradecendo as bênçãos recebidas do Senhor celebraram cultos em ação de graças, recebendo as igrejas filhas e co-irmãs do Estado e membros das doze congregações. A IEB de João Pessoa se compõe hoje 3.200 membros, distribuídos entre a sede e as congregações, apesar de ceder 900 membros para organizar onze igrejas nos últimos quinze anos. A IEB João Pessoa (PB) é filiada à Convenção Batista Paraibana (CBPB) e à Convenção Batista Brasileira (CBB).

A mensagem pastoral:
O Rev. Tomaz José de Aguiar Munguba, pastor titular que dirige o rebanho da Evangélica há trinta anos, trouxe aos celebrantes a mensagem: “Evangélica, 90 com cara de 20. Há pessoas que envelhecem, mas física e mentalmente mantem o vigor da juventude. A IEB é assim, completa 90 anos mantendo o vigor de uma igreja jovem e dinâmica. Nesses 90 anos a IEB passou por muitas transformações ao entender que o mundo passa por transformações e ela não pode se engessar às mesmas estratégias que deram certo há 50 anos atrás. A Igreja de Cristo precisa ser dinâmica no seu crescimento. Todos os anos muitos novos membros são agregados a ela. Quando a Igreja não evangeliza ela morre. Não a igreja no sentido bíblico, isto é, o povo de Deus salvo e remido pelo sangue de Cristo, mas a igreja local, onde seus membros se acomodam, formam uma espécie de clube fechado, mas não evangelizam e nem mesmo trazem seus filhos. A membresia envelhece e morre. Adotamos novas estratégias que foram usadas por outras igrejas com pleno êxito, adaptando-as à nossa realidade local. No ano 2000 quebramos o paradigma de ter uma Escola Dominical seguindo um currículo tradicional e nacional. Declaramos aquele o ano zero da nossa EBD e iniciamos um novo currículo e em 2014 estaremos implantando um novo currículo para os próximos anos”.


“Entendemos que o melhor modo de trabalhar a Igreja e desenvolver seus membros é procurar cumprir a missão que Deus nos deu através de ministérios, onde os membros descobrem e põe em prática os seus dons espirituais. Adequamos, assim, duas estratégias novas como Rede Ministerial e Igreja com Propósitos. O crescimento da Igreja nos levou a realizar dois cultos vespertinos, e vendo a dificuldade de uma melhor comunhão entres os irmãos, adotamos as células formadas por pequenos grupos que partilham suas alegrias e dificuldades. Em todo esse tempo nunca perdemos a visão da nossa responsabilidade missionária. Organizamos 11 igrejas e, desde que assumimos o pastorado (1982) foram consagrados 33 pastores, a maioria servindo nas igrejas-filhas, congregações ou em outros campos”.
“Um dos grandes desafios que temos é a construção do novo templo, com um belo projeto que visa acomodar toda a Igreja num só culto, permitindo um melhor relacionamento entre os irmãos”.


“Somos gratos a Deus pelas vidas dos pastores que aqui passaram, estando vivos apenas dois – o Pr. Ezequias Fragoso Vieira, que esteve à frente da Igreja por 10 anos e, aposentado vive em Brasilia, e o Pr. Natanael Menezes Cruz, que serviu por 9 anos e hoje pastoreia a PIB Jaboatão (PE). Deus tem sido de uma fidelidade ímpar para conosco em todos os momentos e a nós resta sermos gratos e fiéis também a Ele. ‘Grandes coisas fez o Senhor por nós, pelas quais estamos alegres' (Salmo 126.3)”, finalizou o Pr. Tomaz Munguba.


A visão pastoral de Tomaz Munguba ainda o levou a despertar e treinar uma liderança vigorosa e visionária, implantando um processo dinâmico de trabalho discipulado que levou os membros da Igreja a desenvolver a adoração, a comunhão, o serviço de evangelismo e a maturidade espiritual, cumprindo a missão de Deus através de ministérios, projeto de células, projetos especiais (Encontro de Casais com Cristo, Encontro de Jovens com Cristo e Cursilhos, entre outros) e eventos evangelísticos, uma Escola Bíblica dinâmica e um ministério de música inspirador, resultando num crescimento constante da Igreja em suas várias áreas de trabalho e numericamente, tornando-a hoje a segunda maior igreja do Estado e uma das cinco maiores do Nordeste do Brasil, para a glória de Deus.


A IEB celebrou o culto comemorativo de gratidão, em 24 de setembro de 2013, dirigido pelo Pr. Tomaz José de Aguiar Munguba, auxiliado pelos pastores da sede - Pr. Ebenezer Tomaz Medrado Munguba, Pr. Felipe Sotero de Albuquerque, Pr. Haydene Casse da Silva, Pr. Josué Peixoto Flores Neto, Pr. Flávio Bento de Lima, na presença dos pastores e líderes das congregações: Fábio Gerard e Luciana (CEB em Alagoa Grande e Canafistula), Carlos Caitano e Celia (CEB em Arara e CEB em Remigio), Tomaz Munguba Filho e Adriana (CEB em Campina Grande e Nova Floresta), Jean Carlos e Regina (CEB em Casserenge), Josá de Arimatéia e Severina (CEB em Cutegi), Natalício Emmanuel e Indhira (CEB no Ernesto Geisel), Francisco de Assis e Laudicéia (CEB em Paripe), Ismael Machado e Andrea (CEB em Pedro Gondim), José Claudio e Alessandra (CEB em Pilões), Haydene Casse e Leila (CEB em Santa Rita), Betrand Nelson e Aldeci (CEB no Varadouro). Estiveram presentes a Pra. Liana Nepomuceno (1ª Secretária) e o Pr. Linaldo Guerra (2º Secretário), representando a Convenção Batista Paraibana (CBPB) em face da ausência do Presidente Pr. Estevam Fernandes de Oliveira, representando a primeira a PIB João Pessoa (Igreja-mãe) e o segundo a IB Pilar e os pastores Augusto Rodrigues, Djair Rufino, Djalma Sergio, Glaucio Rodrigues, José Rocha, Marcelo Munguba, Risomar Pereira, entre outros. Presentes autoridades do Estado, com destaque para a Vereadora Eliza Virgínia Fernandes (Câmara Municipal de João Pessoa). O Pr. Francisco Bonato Pereira representou os batistas de Pernambuco, trazendo mensagem do Pr. Ney Ladeia (Presidente da Convenção Batista de Pernambuco): “À Igreja Evangelica Batista em João Pessoa. ‘Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no Senhor (I Co 15.58)’. A Convenção Batista de Pernambuco se congratula com os membros da Igreja por ocasião da celebração dos seus 90 anos. Louvamos a Deus pela vida e pelo ministério desta Igreja e de toda a sua liderança. Aproveitamos também para saudá-los em nome da Igreja Batista da Capunga, sua co-irmã, 90 anos celebrados no último mês de abril, unida a esta querida Igreja por significativos laços históricos. Que o Senhor continue a dirigir e a abençoar o pastor Tomaz José de Aguiar Munguba e toda a sua equipe na condução desta preciosa agência do Reino de Deus. Pr. Ney Silva Ladeia. Presidente da Convenção Batista de Pernambuco. Pastor da Igreja Batista da Capunga.”

A celebração conjunta da ceia do Senhor:
O pastor Tomaz Mungaba, acompanhado dos pastores da sede, dirigiu a celebração conjunta da Ceia do Senhor, para mais de 1.200 membros da Igreja na sede e congregações presentes, em momento de comunhão ímpar, reunidos num único espaço, na celebração do memorial do sacrifício de Cristo pelo homem. Os momentos do culto foram inspirados por belas músicas executadas pela Athos Band e grupos Karisma e Vida, dirigidos por Racilba Barros e as músicas entoadas pelo Coro de 90 Anos regido pelo ministro Ebenezer Lourenço, preparadas para o culto.

O histórico:
A Igreja Evangélica Batista em João Pessoa (PB) foi organizada a 24 de setembro de 1923, com o nome de Primeira Igreja Batista Brasileira da Paraíba do Norte, por meio de concílio composto dos pastores José Alves Feitosa e Adrião Bernardes, com 52 membros, sendo 37 com cartas demissórias da PIB Paraíba do Norte e mais 15 membros de outras igrejas batistas, que declararam, de forma pública, desejar integrar a Igreja. A origem da Igreja foi uma congregação da PIB Paraiba do Norte, existente no bairro de Jaguaribe, que desejou pedir se constituir em Igreja, tanto por comodidade física como para expandir a proclamação do Evangelho. Dirigia a Igreja o pastor José Alves Feitosa, consagrado a 23 de janeiro de 1923, o qual, de início, se opôs à organização da Igreja, julgando que a saída do grupo enfraqueceria a Igreja. Visitou o grupo reunido na residência do irmão Manoel Pires, em Jaguaribe, onde havia cultos e Escola Dominical. A PIB Paraíba do Norte (PB) concedeu as cartas aos membros que desejavam integrar a nova Igreja, inclusive o Pr. José Feitosa.


Esses membros da Igreja, na maioria, eram partidários do Movimento Radical, que eclodiu (1923) dividindo a denominação na Paraiba, Bahia e Pernambuco, em dois grupos antagônicos. (FEITOSA, Jose Alves. HISTORIA DOS BATISTAS DO BRASIL- MEMORIAS, p. 74). Todavia, o que seria prejudicial ao Reino de Deus, se tornou em bênção, porque os dois grupos se dedicaram com afinco à propagação do Evangelho nas cidades e cresceram de forma sigificativa, em particular neste Estado e, decorridos alguns anos, a harmonia e a fraternidade foi restabelecida para a glória de Deus e progresso do Reino de Deus (PEREIRA DA SILVA, Francisco Bonato. IBCOR 100 ANOS DE HISTORIA, p. 53-55).

Os nomes:
A PIB Brasileira da Paraiba do Norte (1923-1927) mudou o nome para: Segunda Igreja Batista da Paraíba do Norte (1927-1930);  Segunda Igreja Batista de João Pessoa (1930-1958); e Igreja Evangélica Batista em João Pessoa (1958-2013). O Pr. José Alves Feitosa era, além de apaixonado por missões, era dedicado professor, e no período (1923-1924), organizou a Escola Batista da Paraíba, na Rua da Areia, para educar filhos dos crentes e muitos convertidos analfabetos. (FEITOSA, José Alves. HISTORIA DOS BATISTAS DO BRASIL- MEMORIAS, p. 75). Essa foi uma marca de Feitosa – ‘uma igreja e uma escola’ na Paraíba, Rio Branco (Arcoverde), Rio Largo e Garanhuns.


Encerrado o Movimento Radical (1939), a SIB João Pessoa recebeu como pastor, o missionário Charles Stapp (1940) e logo depois, Elias Pereira Ramalho, que fixou residência em João Pessoa e assumiu o pastorado da Igreja e a função de missionário, com a tarefa de pastorear a Igreja e assistir às igrejas sem obreiro.


Elias Ramalho relata: “Desde outubro de 1940 vamos experimentando sensível progresso. Naquela ocasião éramos 120 e hoje 170, um aumento de 50 membros, destes 30 entraram por batismo. A EBD está em franco progresso e quase todos os professores possuem o diploma normal. Estamos numa intensa campanha de evangelização, pregando em vários pontos da cidade. Espiritualidade sempre crescente, harmonia e paz entre os membros. A Igreja contribui para todos os fins denominacionais. Em novembro realizei uma série de conferências evangelísticas havendo várias decisões. Em maio tivemos um Instituto Bíblico e no fim do Instituto conferências pelo Pr. Coriolano Costa Duclerc, cujo resultado foi a conversão de muitas pessoas e a decisão de vários membros se reconciliarem com a Igreja, no total de 76 pessoas. O Pr. Coriolano e o orfeão (coral) da Igreja, à frente o maestro (Tenente) Severino Gomes, em muito contribuíram para o sucesso da série de conferências. Elias Pereira Ramalho”. (O Jornal Batista, de 31.07.1941). O Pr. Elias Ramalho dirigiu a IEB João Pessoa por 10 anos (outubro/1940 a setembro/1950), levando-a se desenvolver, tornando-se uma das três maiores igrejas do Estado, ao lado da PIB João Pessoa e da PIB Campina Grande.


A visão dos fundadores, desde os primeiros pastores, permaneceu no DNA da Igreja. Assumindo o pastorado (1982), o Pr. Tomaz Munguba reacendeu na Igreja a consciência da sua missão missionária. Implantou o Conselho Missionário para coordenar esse esforço, onde as Pastorais Ministeriais orientam as atividades evangelísticas e missionárias da Igreja, com o GAM – Grupo de Ação Missionária -, atividade realizada pela Igreja três vezes no ano, quando membros da Igreja, profissionais de várias áreas, realizam um trabalho social em comunidades carentes em cidades do interior, levando o Evangelho. O Projeto Missionário (julho), quando membros da Igreja dedicam o período à evangelização em cidade ou bairro da capital. Fruto dessa visão a IEB de João Pessoa implantou as Igrejas Filhas: PIB Bayeux, João Pessoa (1983); PIB Rangel, João Pessoa (1983); PIEB Jardim Veneza, João Pessoa (1991); IB Bessamar João Pessoa (1993); IEB Bancários, João Pessoa (1997); IEB Funcionários II, João Pessoa (1998); IEB Valentina Figueiredo, João Pessoa (2004);  IEB Mangabeira, João Pessoa (2004); IEB Areia (2010); IEB Intermares, João Pessoa (2011); IEB Cajá (2013), todas com templos próprios. E, recentemente, abriu um núcleo em Campina Grande, adotando o modelo da sede.

As congregações:
A IEB João Pessoa, nessa mesma visão mantém hoje 12 congregações: CEB (congregação evangélica batista) em Alagoa Grande e Canafistula, Pr. Fabio Gerard e Luciana; CEB em Arara e CEB em Remigio, Pr. Carlos Caitano e Celia; CEB em Campina Grande e Nova Floresta, Pr. Tomaz Munguba Filho e Adriana; CEB em Casserenge, Pr. Jean Carlos e Regina; CEB em Cutegi, Pr. Jose de Arimateia e Severina; Natalicio Emmanuel e Indhira (CEB no Ernesto Geisel), Francisco de Assis e Laudiceia (CEB em Paripe), Ismael Machado e Andrea (CEB em Pedro Gondim), Jose Claudio e Alessandra (CEB em Pilões), Haydene Casse e Leila (CEB em Santa Rita), Betrand Nelson e Aldeci (CEB no Varadouro). A IEB João Pessoa ainda apóia o trabalho missionário do casal Drault e Valquíria e da jovem Cláudia Morgana, no Rio de Janeiro e os missionários transculturais Josineide Bezerra (Bolívia), Elizângela Aquino (República Dominicana), Pr Mauro e Leonice Laranjeiras (Canadá) e o casal Márcia e Maisél. A igreja conta com 14 seminaristas, membros da Igreja, se preparando para a obra ministerial, todos supervisionados e orientados pelo pastor titular e pastores da sede.

Os pastores:

A IEB João Pessoa, ao longo dos seus 90 anos foi dirigida pelos pastores: José Alves Feitosa (1923-1924); João Daniel do Nascimento (1925-1927); Nicomedes Goes (06.1927-05.1928); Hostilio Carvalho (1928); Pedro Falcão (08.1928-08.1931); José Domingues (11.1932-01.1939); Charles Franklin Stapp (03.1940-08.1940); Elias Pereira Ramalho (10.1940-09.1950); Pr. Charles William Dickson (1951 e 1956); Silas Alves de Melo (1951); Severino Moreira (12.1951-1956); Jeremias Dantas e Silva (1956 - 1962); Ezequias Fragoso Vieira (1963); Natanael Menezes Cruz (1973-1982); Tomaz José Aguiar Munguba (11.1982-2013). Os templos: A IEB João Pessoa teve seus templos nos endereços: Rua São Miguel, 238 (1923-1929); Rua Capitão José Pessoa (1929-1969); e, Rua Osvaldo Pessoa, 416, Jaguaribe, João Pessoa (PB).

O pastor titular e os ministros:
O Pr. Tomaz José de Aguiar Munguba, nasceu no Recife (PE) a 4 de agosto de 1943, o décimo segundo filho do casal Amazonila Aguiar (SEC, 1919) e José Munguba Sobrinho (STBNB, 1918). O pai era natural de Alagoas, e mãe do Amazonas. O pastor José Munguba foi aluno do STBNB, pastor na PIB Manaus (AM, 1919-1929), na IB Zumbi (1929-1930) e na IB Capunga (1930-1967), professor do STBNB. Tomaz nasceu e cresceu vendo o exemplo dos pais no lar, na igreja e no serviço do Senhor. Aluno do Colégio Americano Batista (Recife), ingressou no STBNB – recebendo o Grau de Bacharel em Teologia (1966) e na UNICAP, recebendo o Grau de Licenciado em Filosofia (1972). Era aluno do STBNB (1966) quando começou a servir como auxiliar do Pr. Firmino Silva, na PIB João Pessoa. A igreja, a 5 de novembro 1966, o consagrou ao Ministério Pastoral e o empossou Pastor Titular. Casou (janeiro/1967) com Lebian Medrado, filha do Pr. Natanael Medrado, com quem teve quatro filhos: Ebenézer Tomaz (pastor), Luiz Sérgio, Izabel Mirtez e Tomaz José de Aguiar Munguba Filho (pastor). Exonerou-se da PIB João Pessoa (novembro de 1979), indo pastorear a IB Ilheus (1979-1982). Assumiu o pastorado da IEB João Pessoa (1982). Viúvo (1990), dois anos depois casou com Sônia Alves (1991), viúva como ele, com os filhos - Lucila e Thiago -, membros da Igreja e servindo ao Senhor.
O pastor Tomaz Munguba conta com cinco ministros auxiliares - Pr. Ebenezer Tomaz Medrado Munguba (ação social e integração), Pr. Felipe Sotero de Albuquerque (jovens, adolescentes e crianças), Pr. Haydene Casse da Silva (ensino e treinamento de líderes), Pr. Josué Peixoto Flores Neto (evangelismo e missões), Pr. Flávio Bento de Lima (comunicação e recepção) -, e do Corpo Diaconal, com os quais sempre teve um bom relacionamento.
Uma das coisas que costuma destacar é a solidariedade da Igreja com ele nos momentos difíceis passados – na ocasião do falecimento de sua primeira esposa, e o quando necessitou fazer uma delicada cirurgia para extirpar um câncer nas cordas vocais e posteriormente um câncer de próstata, dos quais está curado. A Igreja esteve presente em todos os sentidos. O sucesso e vitória alcançadas no seu ministério e na sua vida e ministério atribui exclusivamente à emensa Graça de Deus, dizendo, como o Apóstolo Paulo: "Pela graça de Deus sou o que sou".

(*) Ministro de Ação Social da IEB João Pessoa
(**) Membro do Conselho Editorial d’O Jornal Batista

Última atualização em Qui, 07 de Novembro de 2013 10:20
 

 

Copyright © 2014 Portal Batista. Todos os direitos reservados.
Rua Senador Furtado, 56 - Rio de Janeiro - RJ / CEP 20270-020 / (21) 2157-5557